Homem cria escultura com seus próprios cabelos, unhas e dentes.

Algumas obras de arte são tão realísticas que parecem estar vivas. Os detalhes desta escultura de mais de 100 anos deixam as pessoas sem palavras até hoje. Se você olhar bem de perto, pode ver tendões, veias e até cabelos e unhas. Mas tão empolgante quanto a aparência da estátua é a sua história.

A escultura é obra de Hananuma Masakichi, um escultor japonês do século 19. Masakichi era famoso pelo realismo de suas peças, mas sua obra-prima só foi feita quando já estava perto da morte. Quando o artista foi diagnosticado com tuberculose - até então uma doença incurável - ele tomou uma decisão: ele queria dar à sua amada um autorretrato realista, para que ela não se esquecesse dele. 

Seu último trabalho não seria uma estátua comum, mas uma espécie de clone de si mesmo. Para isso, ele colocou uma fileira de espelhos para poder estudar seu corpo - de cada perspectiva até os menores detalhes.  

O amor ao pormenor quase se tornava obsessão: cada milímetro quadrado de sua pele deveria ser refletido na escultura, em cada veia, em cada tendão e até mesmo em cada cabelo. É por isso que Masakichi fez até mesmo poros na estátua: ele colocou furos microscópicos na madeira - exatamente onde ele os reconheceu em sua própria pele. Então ele arrancou o próprio cabelo e plantou na estátua nos lugares apropriados. Mas isso não era tudo: o escultor também arrancou unhas e dentes para inseri-los na estátua. Ele se mutilou pela mulher que tanto amava.

Apesar de ser feita de madeira, a escultura não contém qualquer prego. Ela contém de 2000 a 5000 elementos de madeira. Os detalhes são tão perfeitamente encaixados, que não dá para perceber qualquer buraco ou desnivelamento mesmo com uma lupa. A tinta utilizada corresponde exatamente ao tom de pele do artista e brilha como a pele de um homem real. É como se a escultura fosse se mover a qualquer momento.

Quando Masakichi apresentou sua obra-prima em uma exposição particular em sua própria casa, ele a sujeitou a um "teste de autenticidade": ele ficou exatamente na mesma pose ao lado de sua escultura. Os visitantes ficaram sem palavras. Eles não conseguiam distinguir o artista de seu trabalho. Infelizmente, a amante de Masakichi não estava entusiasmada com o presente curioso.

A visão da assustadora prova do amor afastou a mulher, de modo que ela se separou do artista. Masakichi nunca mais a viu. Como se fosse para prolongar sua desgraça, o escultor ainda levaria mais 10 anos para morrer, em 1895, aos 62 anos de idade. Em seus últimos anos, Masakichi lamentou profundamente ter retirado os próprios dentes.

Em 1934, a escultura foi leiloada por 10 dólares para o colecionador de curiosidades norte-americano Robert Ripley. Atualmente, o original pode ser admirado no gabinete de curiosidades "Ripley's Believe It or Not", em Amsterdã. Uma réplica da escultura está no Ripley's de Londres.

Genial, louco, assustador - independente do que você pensa sobre a escultura, ela é única e fascinante. Acima de tudo, o trágico autorretrato mostra as dificuldades inacreditáveis a que as pessoas se submetem por amor.

Comentários

Também incrível