Mãe defende filha de insulto online.

Pais de primeira viagem amam mostrar fotos de seus pequeninos a todos. As outras pessoas, por sua vez, não resistem e reagem sempre com "óóós" e "que fofura!". Natalie Weaver nunca teve essa experiência com sua primeira filha. Pelo contrário: no primeiro de ano da filha, a mulher da Carolina do Norte (EUA) tentou escondê-la tão bem quanto possível - tudo por medo dos olhares e comentários julgadores. 

Sophia, hoje com 9 anos, nasceu com deformações faciais graves. Ela sofre de síndrome de Rett, um distúrbio de desenvolvimento que, entre outros, leva os afetados a esquecerem habilidades antes aprendidas no início da infância. Por causa de sua aparência, a menina é alvo de reações extremas desde bebê. Para a mãe, isso era tão doloroso que ela resolveu proteger a filha escondendo-a dentro de casa a maior parte do tempo - até que ela não pôde mais. 

A mãe de três não iria mais aceitar que sua filha inocente fosse chamada de monstro. Ela fundou um clube para lutar não só pelos direitos de crianças especiais como Sophia, mas também para que elas fossem vistas como pessoas iguais às outras. Por isso, a norte-americana ficou extremamente abalada ao descobrir que alguém havia postado uma foto de Sophia no Twitter e usando-a para defender o aborto de crianças como ela.      

Essa pessoa afirmava que uma amniocentese deveria ser obrigatória para grávidas. E caso uma deficiência genética fosse notada, a futura mãe deveria ser forçada a fazer um aborto. Caso ela ainda quisesse ter a criança, os pais deveriam assumir todos os custos. Abaixo da foto da menina de 9 anos está escrito: "Tudo bem pensar que todas as crianças contam, mas muitas delas não contam."

Natalie está absolutamente horrorizada como alguém que não conhece Sophia, não sabe o quanto ela é amada, ou como seu sorriso ilumina suas vidas, podia escrever algo assim. Mas ela ficou ainda mais assustada quando o Twitter se recusou a retirar a foto, uma vez que não era contra as regras da plataforma. Natalie decidiu não ficar de braços cruzados: ela começou um abaixo-assinado e juntou milhares de pessoas para convencer a rede social a mudar de ideia. 

E com sucesso: graças a todos os apoiadores, o Twitter acabou deletando a conta da pessoa que postou a foto de Sophia. A família da menina de 9 anos está enfim aliviada. Porém, os pais de Sophia sabem que a luta continua e que precisam se dedicar todos os dias. Afinal, Sophia sofrerá coisas assim por toda a vida, e não apenas na internet, mas também na vida real. 

"Eu não serei silenciada pelo ódio", disse Natalie Weaver. "Sophia é um presente. Não importa o quão cansada eu estou, eu sempre farei tudo para proteger minha filha dos outros, mesmo que seja difícil às vezes. Mas Sophia é a pessoa mais forte que conheço." Isso a menina certamente herdou da mãe.  

Comentários

Também incrível