10 coisas estranhas que eram normais na antiguidade.

Para nós é frequentemente fácil rir do passado: muitos costumes, práticas medicinais, ideais de beleza e hábitos diários parecem curiosos e incompreensíveis pela perspectiva atual. No entanto, as pessoas viviam dentro dos ideias e das possibilidades que tinham, assim como hoje. 

Prepare-se para se surpreender com técnicas e tradições comuns na antiguidade, mas que hoje parecem absurdas:

1) Mulheres não podiam chorar em enterros. 

Wikipedia/Death Meleager Louvre Ma654.jpg/Marie-Lan Nguyen/CC BY 2.5

Um enterro comum na Roma antiga começava com uma procissão fúnebre pelas ruas, atrás da qual iam os parentes em luto. Muitas pessoas em um enterro significava que o falecido tinha uma grande reputação. 

Por isso, algumas famílias ricas contratavam atores para os enterros, que fingiam tristeza e luto, aumentando (artificialmente) o prestígio do morto. Porém, o "luto profissional" se tornou cada vez mais excessivo: mulheres rasgavam a pele do rosto em sangue com as unhas, arrancava, seus cabelos e gritavam escandalosamente.  

Isso contradizia os ideais romanos, e, por isso, essa tradição foi recriminada e considerada muito extrema. Logo, as leis começaram a ditar quanto luto era aceitável. 

2) Médicos usavam alho para testes de gravidez. 

sottoipinidelbosquetto

Sem os testes de gravidez modernos, as mulheres de antigamente precisavam recorrer a outros meios. Um método que hoje seria considerado bizarro consistia em colocar um dente de alho ou uma cebola na vagina e esperar uma noite. Na manhã seguinte, o médico dizia, pelo hálito, se a mulher estava grávida. Caso o hálito cheirasse a alho ou cebola, então não havia uma criança "bloqueando" o caminho entre a vagina e a boca, logo, a mulher não estava grávida.

3) Pais podiam matar legalmente o amante das filhas. 

Wikipedia/Aldobrandini Wedding.jpg/Pietro Santi Bartoli

Naquela época, os pais tinham enorme autoridade nas famílias. Isso se estendia também para a vida das filhas não casadas. Ele tinha o direito de escolher o marido delas e, mesmo depois do casamento, a filha continuava sendo parte da família paterna.

Sexo antes do casamento também não era permitido, pois era considerado adultério. Se uma filha o fizesse mesmo assim, o pai tinha o direito de matar o amante (e ela mesma) - no entanto, apenas sob certos pré-requisitos. O pai precisava, por exemplo, flagrar os dois, e só podiam matar amantes de classes baixas, como escravos.

Porém, é preciso mencionar que essa não era a norma e depende totalmente da época particular da história romana, que tem quase 1000 anos.

4) Excrementos animais funcionavam como remédio 

lejourd'aujourd'hui

Parece nojento, mas antigamente era visto como um remédio comum. Fezes animais funcionavam de várias maneiras. As deixadas pelos crocodilos no antigo Egito, por exemplo, serviam de contraceptivo. As de burros, gazelas ou cães eram aplicadas em feridas como desinfetantes.  

Elas foram usadas até o século 19. No ano de 1847, por exemplo, apareciam as últimas impressões da obra "Die heilsame Dreckapotheke" (algo como "A Saudável Farmácia da Sujeira"), do alemão Christian Franz Paullini, do ano de 1697. Nele, ele diz que cocô de cavalo ajuda contra dor de dente, e que fezes de falcão são boas contra vista ruim.

5) Esferas de vidro e borracha natural eram usadas como implantes para os peitos. 

Pixabay/ugglemamma

A busca pela beleza não é uma invenção da modernidade. As mulheres já tentavam ficar mais atraentes através de cremes, pós, manteiga de coco ou azeite. O tamanho e forma dos peitos também podiam ser mudados. 

Havia até mesmo uma intervenção cirúrgica na antiguidade, há 2000 anos, mas provavelmente não uma cirurgia de mama. Nas primeiras cirurgias, no final do século 19 e começo do 20, eram usadas marfim, borracha natural e granulado de borracha.

6) Médicos abriam buracos nas cabeças de pessoas doentes para deixar espíritos ruins saírem. 

Wikipedia/Hieronymus Bosch 053 detail.jpg/Hieronymus Bosch

Médicos e curandeiros se interessam pelo corpo humano desde sempre e inventaram ao longo dos séculos vários tipos métodos de cura "comprovados": a trepanação é uma delas. Acreditava-se que ela curava doenças como cólica, dores de cabeça ou infecções - porque um espírito maligno responsável pela sua dor precisava sair de seu corpo por um buraco. 

Essa prática já era usada na pré-história, há mais de 10 mil anos.

7) Na Roma antiga, os pais podiam vender os filhos como escravos. 

senatuspopulusqueromanus

Não só as filhas ficavam sob a autoridade dos pais. Os filhos também precisavam obedecer suas decisões, que podiam incluir até mesmo uma vida de escravidão. No entanto, essa era uma prática muito rara, que apenas famílias muito pobres e desesperadas praticavam para conseguirem sobreviver.

8) No Egito dos faraós, as pessoas raspavam as sobrancelhas em tempos de luto.   

Imgur/Donottrythisatwork

Como muitas pessoas sabem, os gatos eram adorados no Egito antigo. Eles supostamente traziam felicidade às famílias. Caso um gato morresse, os donos deveriam raspar as sobrancelhas e lamentar a perda do felino até que elas crescessem novamente.

9) Mulheres usavam chumbo e enxofre para colorir o cabelo. 

Wikipedia/Fresco showing a woman looking in a mirror as she dresses (or undresses) her hair, from the Villa of Arianna at Stabiae (Castellammare di Stabia), Naples National Archaeological Museum (17392924485).jpg/Carole Raddato/CC BY-SA 2.0

As pessoas já tingiam o cabelo na antiguidade. Como ainda não se conhecia os efeitos de metais no corpo, várias substâncias prejudiciais à saúde eram usadas para colorir. Romanos e gregos, por exemplo, usavam corantes que tinham efeito permanente e consistiam de diferentes produtos químicos, como enxofre.

No século 18, na Itália, costumava-se tingir cabelos longos de dourado com ajuda de álcalis corrosivos. Muitos europeus utilizavam pó de açafrão e enxofre para atingir cores de cabelo diferentes. No Afeganistão, acreditava-se até que as cores de cabelo eram uma boa forma de combater a dor de cabeça.

10) Havia banheiros públicos conjuntos na Roma antiga. 

Imgur/ CowboyScientist

Diferente dos dias de hoje, os romanos faziam suas necessidades básicas em banheiros públicos ou tomavam banhos em chuveiros públicos - apenas os ricos tinham banheiros privados. Para a época, porém, esse sistema higiênico era bem avançado, e o design dos banheiros era bem sofisticado.

Com o passar do tempo, muitas coisas da época ficaram esquecidas. Por mais bizarras que algumas práticas, tradições e técnicas pareçam, as pessoas tentavam tirar o melhor da vida que levavam, ainda que esbarrassem em alguns enganos - mas isso é algo que temos em comum com eles. 

Fonte:

brightside

Comentários

Também incrível